Não mate a poesia. Todos os poetas a buscam e ela escolheu pousar em você.

domingo, 22 de abril de 2012

E viva a miscigenação


E viva a miscigenação!

Vivemos em um país, cuja história se fez a partir da mistura de povos. Por muitos anos, brancos (sobretudo, portugueses) e índios conviveram, dando forma a uma nova raça. Um tempo depois, vieram os negros, infelizmente trazidos como escravos, sendo sua cultura quase sufocada pela do branco. Mas forte, sobreviveu!
Índios, negros e brancos deram origem ao que podemos chamar hoje de “nação brasileira”.
Quando nos olhamos, identificamos em nosso andar o do negro, o cabelo com cor que se assemelha a do cabelo do índio e a nossa pele, ao ser observada, tem um pouco de cada cor. Assim, somos parte do branco, do índio e do negro.
Nossos gostos musicais, nossa alegria, nossa comida e vestimenta são heranças fieis de nossos ancestrais e representam de que somos feitos.
Diante dessa realidade, como há lugar neste país para o preconceito racial? Como ainda há pessoas que se associam a outras com ideias de eugenia, acreditando ser possível existir uma raça pura em um país como o Brasil? Já não bastou o holocausto provocado por Hitler?
É com tristeza que o país, por meio dos noticiários, tomou conhecimento de jovens, os quais deixaram suas origens de lado e, no lugar, proferiram palavras amargas a nordestinos e a pessoas de uma classe social menos elevada.
Precisamos, definitivamente, entender que somos parte de cada ser humano deste país. Em nós, habitam italianos, japoneses, alemães, africanos, indígenas e é justamente por sermos feitos dessa mistura é que somos brasileiros, sendo ela quem nos individualiza como nação.
É tempo de assumir-se, é tempo de entender que o Brasil é rico culturalmente, porque herdou de africanos, indígenas e outros povos traços culturais e, por isso, necessitamos de dar viva à miscigenação!

Claudia Vanessa Bergamini
Formada em Letras pela UEL
Especialista em Literatura Brasileira pela UEL
Mestranda em Letras (Estudos Literários) pela UEL
Professora de Literatura da UNIFIL e do Colégio Londrinense. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário