Não mate a poesia. Todos os poetas a buscam e ela escolheu pousar em você.

domingo, 22 de abril de 2012

Quem sou eu?

Quem sou eu? 
(Claudia Bergamini)

Sou o vento que sopra manso e delicado,
que ao bater no rosto, toca a pele suave, sem fazer mal ou bem,
somente se faz sentir.

Sou a pedra que teima em não deixar brotar a   flor,
Sou memória do passado,
vivo, quente, latente...

Sou a história do homem que luta,
da mulher que chora,
da criança que sonha
do idoso que ainda labuta.

Quem sou eu?
Estrela com luz,
ou estrela sem brilho,
que seduz?

Tempo, vento, pensamento....
Tudo sou eu
e com o tempo
descubro-me ainda muito mais....

Sou força, luz, brilho,
que oscila entre a opacidade
e a brilhante força que me conduz ao palco.

Sou assim...
ponho-me a criar,  a imaginar
e a deixar que minha mente me
transforme em quem eu queira ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário