Não mate a poesia. Todos os poetas a buscam e ela escolheu pousar em você.

domingo, 22 de abril de 2012

Poema Menina


Menina
(Claudia Bergamini)

Nos olhos, traços parecidos como o doce do mel,
Na boca, palavras que soam suaves como o toque do veludo,
Na pele, a maciez da flor do pessegueiro,
Na voz, a firmeza do mais puro metal.

As dúvidas são de mulher insegura,
Os pensamentos, de menina necessitada de amor,
Os sonhos, de criança travessa ansiando por liberdade.

Menina,
Mulher,
Que oscila entre o doce e o amargo da vida,
Que respira as esperanças do céu,
Que expira as desventuras da terra.

Um olhar,
Um sorriso,
Uma palavra,
Não bastam para expressar
A grandeza do ser humano
Que habita em você!

Não bastam para demonstrar
Tua força
Tua forte essência
E teu jeito de ser única, pura, menina-mulher.


Escrito para uma pessoa muito especial em 01 de junho de 2011.


Nenhum comentário:

Postar um comentário